Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

30.12.07
 
O blog da ÍNTIMA FRACÇÃO completa hoje 5 anos.

Escrevi no primeiro post : "Com a facilidade dos contactos via internet, não vejo razão para não me expôr. Quem AMA a IF, é porque tem algo em comum.
Aqui estarei para contar tudo o que quiserem e tudo o que eu quiser. Fraccionadamente e na intimidade do Ciberespaço."

Talvez não tenha sido bem assim. A partir desse momento a, até então, tranquila história da Íntima Fracção, entrou numa fase de instabilidade. Fim das emissões na TSF (depois de quase 15 anos consecutivos de transmissões); um ano meio perdido pela net (embora com um inesperado e vasto apoio de ouvintes que, afinal, eram mais do que mil (!); um quase regresso à RDP que ficou sempre suspenso "in extremis"; refúgio hertziano na Rádio Universidade de Coimbra; passagem de meio ano pelo Rádio Clube Português (pelo menos passei por mais uma estação histórica da rádio em Portugal ... só me falta o grupo Renascença !); e, neste momento, a IF a caminho da novidade de ser distribuída online pelo Expresso (depois de ter, hertzianamente falando, emigrado para a rádio espanhola EMA rtv).

Não contei tudo o que quiseram, nem tudo o que eu quis.
Mas uma coisa é certa : o blog devolveu-me um apoio por parte de antigos e recentes ouvintes que, de outra forma, talvez nunca tivesse acontecido.

A relacção entre o privado e o público, que quase desfiz logo ao segundo post, é, no caso do blog da IF, o mais difícil de gerir. Tentar escrever sobre o programa sem escrever sobre quem o faz, é uma contradição difícil de resolver. Por isso os sinais (sempre à espera de um sinal), o falar não sobre mim, mas, através do meu discurso sobre o mundo que vejo e ouço, falar também de mim.

A todos os que não deixaram "cair" a Íntima Fracção, quero, para lá de agradecer, deixar-vos a "intimidade de uma esperança" !


0 Comentários
28.12.07
 
IF 28 Dezembro 2007

... adeus cruel 2007 ...

# Gnac : Brouillard
# Beach House : d.a.r.l.i.n.g.
# WorryTrain : Far past gone (extracto)
# Gnac : Winter blanket
# Imaad Wasif : Other voices
# Gnac : Twenty second night
# Rockabye Baby : God only knows
# Shrif : God only knows
# Pearls Before Swine (Tom Rapp) : Images of April
# Beirut : Nantes
# Burial : In McDonalds
# Arthur Russell : Little lost
# Aarktica : Matchless
# Beach House : Childhood
# Donna Regina : Interlude

Download mp3 - ESEC
Podcast - GavezDois

... em breve distribuída através do Expresso online ...

0 Comentários
27.12.07
 
Dentro de 24 horas (+/-), nova edição da IF exclusiva online.

0 Comentários
 


Outra notícia : primeira antecipação do IF tour 2008.
14 de Fevereiro - Estaleiro Cultural Velha-a-branca (Braga). Estarei presente para conversar sobre um disco ou/e um livro (a anunciar).
Antes disso, espero estar em Lisboa (Fábrica de Braço de Prata) no lançamento da IF através do Expresso online.

Informações sobre a Velha-a-branca aqui.

0 Comentários
 
A 22 e 23 de Fevereiro 2008 - música para gente sentada em Santa Maria da Feira.
Joe Henry (que ouviu muito Dylan e Tom Waits) e ainda um dos recentes favoritos da IF : Richard Hawley. Confirmados.

Joe Henry fala e dá a conhecer o seu novo disco "Civilians".



E Richard Hawley, ao vivo em Chelmsford. Uma desencantada melancolia com um vago sabor a música na rádio em "discos pedidos" por ouvintes mais esclarecidos. E um look a Hank Marvin despenteado (guitarrista dos lendários The Shadows.


0 Comentários
26.12.07
 
Morreu Oscar Peterson.
Um dos meus pianistas favoritos de jazz.
Tinha 82 anos.
São pessoas que não morrem. Fica a sua obra, etc etc.
Mas a nossa mágoa é a de não podermos agradecer-lhes nunca mais.


0 Comentários
 
Post de Natal dedicado à Maria



Se puderem pensar nas vossas crianças antes de fazer seja o que for, talvez o mundo possa ser (um pouco) menos mau.

(vídeo encontrado aqui)

0 Comentários
24.12.07
 

0 Comentários
 


The Pogues & Kirsty MacColl "Fairytale Of New York" (Island, 1987)

Com os agradecimentos a April Skies



...

I could have been someone
Well so could anyone
You took my dreams from me
When I first found you
I kept them with me babe
I put them with my own
Can't make it all alone
I've built my dreams around you

0 Comentários
23.12.07
 



... com quase tudo o que se passa e com a sua ausência.
Com tudo o que já se passou e o vazio que fica sempre.
Perplexo com a própria perplexidade.



(não li o livro, não vou ler e apenas me aproveitei do título que me deixou perplexo)

0 Comentários
21.12.07
 


Um pianista solitário no centro comercial.

0 Comentários
19.12.07
 


Memórias da época feliz da IF.
1995-2000
The Divine Comedy.
Neil Hannon
Os novos crooners.

0 Comentários
 


Um vídeo com imagens originais em super 8, editado em Final Cut, para uma competição promoviada pelos Junior Boys. Uma experiência formal suportada pela magnífica versão de When no one cares pelos Junior Boys.

0 Comentários
 
Estou de causas.
Fechar. "Fechar" é a palavra e, pior, o conceito e a atitude.
Fechar. Fechar tudo.
O encerramento é sempre um sinal de decadência, de final.
Pensem nisso.


0 Comentários
18.12.07
14.12.07
 
Em trânsito para o Expresso online, vou disponibilizar mais uma IF pelas vias habituais.

Não quero (nunca o fiz), falar apenas de música aqui no blog. Por que havia de o fazer ? A IF não é um programa - agora "apenas" um podcast - sobre música. A música é a matéria plástica com que se contrói a IF. Uma das.
Por isso, ao rever o filme Grande Hotel (1932), a primeira super-produção com várias estrelas de Hollywood, o célebre filme que inclui a frase da Garbo, "I want to be (let) alone", fiz um paralelismo entre aquela época e a que se vive agora, em Portugal, envolvendo mais gente do que se pensa.
Diálogo entre a perturbante estenógrafa (Joan Crawford) e um dos galãs do filme, o Baron Felix von Geigern (John Barrymore) :

Joan : Não quero chá ... não quero estragar o jantar que é a minha única refeição ...
John : A emagrecer ?
Joan : Acha que preciso ?
John : Não ... uhmmm ... claro que não ... mas, uma refeição por dia ?
Joan : Sim
John : E não é para emagrecer ? Então por quê ?
Joan : Dinheiro ! ... Já ouviu falar ?
John : Acho que sim, vagamente ...

Este post não devia ter sido colocado à hora do jantar ... Que me desculpem os mais sensíveis, humanitaria e politicamente.

A cena está contida neste extracto.


0 Comentários
12.12.07
 
A propósito de todos estes sons e imagens que se formam em nós.
" O que os nossos olhos e ouvidos exigem não é a pessoa verídica, mas a pessoa verdadeira." (R.Bresson) Sempre o mais difícil.

0 Comentários
 

Goldfrapp have made a return to the dreamy, understated sound of their Mercury-nominated debut with the forthcoming studio album, Seventh Tree.


É publicado em Fevereiro, mas já o ouvi. O novo disco de Goldfrapp deixa para trás a fase discoteca que tão triste me deixou e avança em territórios diferentes. Não é bem o regresso a 2000 e à primeira (e única ?) sonoridade. Às vezes soa a Alpha e tem qualquer coisa de Air. Os Portishead também são invocados (e evocados ...). De qualquer forma voltam a sonhar, embora não haja pilotos comandando fortalezas rosa-voadoras ao amanhecer.

O site de Goldfrapp é uma experiência-surpresa.
Talvez seja bom visitá-lo.

0 Comentários
10.12.07
 

Novo disco de Burial. O misterioso criador (dubstep) criou momentos mágicos em que os sons nos abrem portas para as imagens. Mas serão sempre as nossas. Só as nossas. Na recente edição da IF estão lá várias.


0 Comentários
 
SWEET DREAMS (ARE MADE OF THIS)

Eurythmics (1983)
Afinal o que é que sonhámos ? E daí para cá ?
E então ? Os sonhos comandam ou não a vida ?
E o que comanda os sonhos ?

Vinte e cinco anos depois comprei um bloco para anotar o passado ou para desenhar o futuro ?
Criar !
"Criar não é deformar ou inventar pessoas e coisas. É estreitar entre pessoas e coisas que existem, e tal como existem, novas relações." (Robert Bresson)

Cézanne : "A cada pincelada, arrisco a vida."
Acrescento : a cada imagem, a cada som.


0 Comentários
7.12.07
 
IF 7 Dezembro 2007

emissão : "You look different"

# Burial : In McDonalds
# Deaf Center : Eloy
# Harmonic 33 : Optigan
# Six Organs of Admittance : Coming to get you (excerto)
# Bjorn Torske : Moljekalas
# Brandien : Punta Lara
# Patrick Watson : Bright shiny lights
# Patrick Watson : Slip into your skin
# At swim two birds : Return to the scene of the crime
# Aqua Bassino : Moon light (extracto)
# The Bad Plus : Flim
# R. Guthrie/H. Budd : Turn on the moon
# Burial : Endorphin
# Bjorn Torske : Spelunker
# montagem IF
# Burial : In McDonalds

Download mp3 - ESEC

Podcast - GavezDois

Em breve no EXPRESSO online

0 Comentários
6.12.07
 
Dentro de 24 horas, uma edição da Íntima Fracção online para suavizar este período de passagem para o Expresso online.
Obrigado por todo o apoio.

0 Comentários
5.12.07
 

Greta Garbo
" Eu nunca disse I want to be alone. O que eu disse foi I want to be let alone. Há uma enorme diferença."

0 Comentários
2.12.07
 
Esta noite já não haverá Íntima Fracção no RCP.
Muito brevemente a IF passará a ser distribuída em exclusivo pelo EXPRESSO ONLINE para onde também se mudará este blog.


0 Comentários
 
Concluiu-se esta semana mais uma etapa na vida da Íntima Fracção.
Não gosto que a vida se faça por etapas, mas parece que é a melhor forma de avançar, de conquistar terreno.
A certa altura, avançar, apenas por avançar, torna-se não só perigoso como desnecessário.
A caminho de completar 24 anos, a IF confunde-se com a minha vida. Durante muito tempo aceitei o facto como normal. Neste momento, não tenho a mesma certeza.

A Íntima Fracção pode ser um recurso, um reduto, um refúgio. Para mim e para quem a ouve. Mas foi sempre um pouco mais do que isso. Um alento contra o desespero. Um combate, com muito poucas tréguas, pela possibilidade de continuar. Pela felicidade, sempre impossível. Inocente. Acreditando que todos pudessem ser convertidos ao amor inabdicável. Em resumo, ao Bem.

Haverá uma última tentativa para se persistir na causa das batalhas perdidas.

0 Comentários
início