Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

26.2.05
 

Não entendo muito bem como é que em 2005 se formam filas para comprar bilhetes para um concerto dos U2, que vai acontecer em Agosto. Lá que sabem vender ... não duvido. Não se trata de nostalgia, mas os melhores momentos dos U2 não têm nada a ver com os concertos recentes. O primeiro álbum - BOY (1980) - não passou da 52ª posição nas tabelas de vendas no UK e da 94ª (!!!) nos US. Pois é ali que está o melhor. INTO THE HEART é , para mim, A canção dos U2. Sei que dão uns concertos de estádio com grande aparato tecnológico (como estão longe de UNDER A BLOOD RED SKY ...).

Obrigado Bono, pela intervenção (por certo desinteressada) a favor da justiça no mundo, mas não vou comprar bilhete.

Into the heart of a child

I stay awhile

But I can go there.

Into the heart of a child

I can smile

I can't go there.

Into the heart, into the heart of a child

I can't go back

I can't stay awhile.

Into the heart.

Into the heart.


0 Comentários
24.2.05
 
No próximo domingo não há IF, na RUC. É a Noite dos Oscares, também na RUC.
Para compensar, e a pedido, será reposta para download, a emissão da IF toda feita em torno do tema do filme "You only live twice". Enjoy ...


0 Comentários
 
Dois bons momentos : a tentativa de definição de um blogger pelo Hugo, utilizando um belo texto de Italo Calvino, e o disco com o indicativo do Eixo do Mal (SIC-Notícias).
O autor chama-se SEIGEN ONO e o disco NEKONOTOPIA NEKONOMANIA. A música em causa é a faixa 3 - Enishie. Descobri-o graças à paciência do Nuno Artur Silva, das Produções Fictícias. O Nuno avisou-me logo que o objecto era difícil de encontrar, mas não me deixei amedrontar. Descobri que o senhor Seigen Ono é japonês e, partindo de uns vagos conhecimentos no Japão, cheguei à informação de que o disco tinha sido editado (1990) pela belga Crammed Discs, na colecção Made to Measure. Os meus amigos em Bruxelas e Liège fizeram o resto.



Seigen Ono é um músico japonês que, como produtor e engenheiro de som, trabalhou com the Lounge Lizards, Bill Laswell, R. Sakamoto, Herbie Hancock, e outros que tais. Este NEKONOTOPIA NEKONOMANIA, voga entre o ambient e o jazz minimalista, com a participação de John Zorn, Evan Lurie, e outras figuras da New York scene. Os últimos temas são dedicados à "Berliner Nächt", uma hipnótica suite para guitarra de 12 cordas.
Há, em alguns temas, como no caso do indicativo do Eixo do Mal, uma atmosfera retro que me faz lembrar um amigo de Hong-Kong a viver no Canadá, que em 1960, com dez anos, engraxava sapatos à porta de um salão de baile da então colónia britânica. Uma das recordações dele é a música que vinha do primeiro andar, com os sons da orquestra de Billy Vaughan, em especial a Berlin Mellodie.



sengei ono -Enishie.mp3

É só clicar no nome do ficheiro em cima e a música tocará nos ouvidos, poisando nos vossos corações ! Se descobrirem o disco, oiçam-no, de preferência, a comer bolos de mel das monjas beneditinas do Mosteiro de Santa Escolástica, em Roziz, acompanhados por chá verde com jasmin. Vão ver que se sentem felizes, abertos à contemplação e à introspecção. Não me perguntem porquê. É uma coisa que se sente ... não tenho a mais pequena intensão de tentar explicar.
Ah ! Torna-se óbvio que o Eixo do Mal (SIC-Notícias, sábados à noite, às 24 h, com repetição aos domingos às 18 horas), é uma espécie de habituação de que não me consigo afastar. Tudo gente inteligente e consideravelmente divertida. É tão raro ...

5 Comentários
23.2.05
21.2.05
 
IF 20/21 Fevereiro

# This mortal coil : Another day
# Gonzales : Armellodie
# Azure Ray : These white lights will bend to make blue
# Opto : 04.34
# KLF : Alone again with the dawn coming up
# Destroyer : Your blues
# Echoboy : Telstar recovery (extracto)
# Noonday Underground : Closing time (extracto)
# Donna Regina : Why
# Dream Academy : It'll never happen again
# Samara Lubelski : Keeper of beauty
# James Taylor : Fire and rain
# Departure Lounge : I love you (remix Animals on wheels)
# A guy called gerald : American Cars
# Flying Lizards : Tears

0 Comentários
20.2.05
 


A Cris, para além de me ter feito chegar o Mouchette, do Bresson, deu-me a conhecer, através das suas bobinas, um ciclo de filmes de Jean-Luc Godard a decorrer no Nimas. Perspicaz, nota o alinhamento.
Para hoje, domingo, Pierrot, le fou (Pedro, o louco).



Na 2ª feira, Nouvelle Vague (Nova Vaga).


Olhando com mais atenção, na 3ª, ainda há Helas pour moi (Valha-me Deus).



É nisto que estamos. Nem o alinhamento de um simples ciclo de cinema nos liberta do sobressalto. Utilizando ainda um título do Godard, sinto-me À bout de souffle (O Acossado).


0 Comentários
18.2.05
 
A propósito das más condições de escuta das duas últimas IF's.

Há sempre uma explicação (digital) para este tipo de erros. Está feito e detectado. Corrigida e em perfeitas condições, a IF regressa no domingo à RUC e, depois, à net na ESEC Rádio on-line.

0 Comentários
17.2.05
 
[INTERVALO]

Sempre à espera de um sinal, de uma resposta, da intimidade de uma esperança.
Assim, encontrei "uma" resposta para as perguntas que neste momento me coloco. É apenas a última frase de um post do Luís na Natureza do Mal :
"Domingo, até os que ingénuamente comemorarem, hão-de comemorar uma derrota."
Desta vez, é inevitável : todos perderemos, porque todos ganharão.
Estamos exaustos. Olhamos, apenas.

0 Comentários
15.2.05
 
Post com bons links.
As imagens guardam música.

Este é o magnífico Park Hyatt Tokyo, o hotel onde foi filmado "Lost in translation", de Sofia Coppola. O hotel ocupa os últimos 14 dos 52 andares da Shinjuku Park Tower.



O quarto com vista para Tóquio, onde eu gostava de me perder em translação.



A suite presidencial (com piano), onde nunca ficarei (porque não gosto de ser presidente).



O grill do hotel.



Um dos bares com vista para Tóquio.



O bar onde se encontram os perdidos in translation.



E lá no alto, a piscina, onde já nadei através da câmara subaquática utilizada por Sofia. Obrigado.




Há quem goste de whiskey, charutos, carros de luxo, alta tecnologia como gadget.
Eu gosto de hotéis. Gostaría de ser viciado, mas nem dependente sou. Lost in translation é para mim (só?), um filme de culto, porque Sofia Coppola filmou o que eu sempre desejei ter filmado: HOTÉIS.

0 Comentários
 
Nós e o tempo.
Como diria Carla Bley:
Time and Us.


0 Comentários
 
Restos de espuma de banho na toalha.

It's only the wind blowing litter all around
Just a little wind and the trees are falling down
There's nobody crying, that was yesterday
Inside we're all smiling, everything's okay

It's only the wind
Behaviour - Pet Shop Boys (1990)



Primeiros dias de 1991. Frios, mas de novo luminosos. Algarve. Hotel da Aldeia. Fogo de artifício lançado por crianças no jardim do lado. Traços luminosos riscando a noite. Televisão por parabólica. Música. Rádio (os empolgantes dias da TSF). Ela.

0 Comentários
 
Restos de chocolate amargo no bolso.

Now maybe you're right and maybe you're wrong
But I ain't gonna argue with you no more
I've done it for too long.
It was getting so good why then, where did it go?
I can't think about it no more tell me if you know.
You were loving me, I was loving you
But now there aint nothing but regretting
nothing,
nothing but regretting everything we do.

Maybe you're right
Cat Stevens - Mona Bone Jakon (1970)



Num frio, mas luminoso sábado lisboeta de Janeiro de 1971, o Júlio regressa a Liège, via Bruxelas. Vou esperá-lo a Santa Apolónia. Pesamos a mala numa máquina de moeda. Vamos a minha casa inventar maneira de não ultrapassar os 20 Kgs. Almoço no Tatu. Voo TAP lá para as 4 e meia da tarde, uns bancos atrás de Vera Lagoa e Artur Agostinho. Naquele momento, tudo era ainda possível. Na Portela ainda quero falar do mesmo assunto. Ela. Mas ele não me quer ouvir. O passarão branco levanta em direcção à Europa, onde o Manel espera. Eu fico em terra, a caminho da Avenida de Roma e da Sinfonia e só podia comprar este disco.

0 Comentários
 

0 Comentários
 
IF 13/14 Fevereiro

# Microphones : I'll be in the air
# Czars : Goodbye (intro)
# Pretenders : Kid (live acoustic)
# Marianne Faithfull : Crazy love
# Gonzales : Melodika
# A Guy Called Gerald : American Cars
# A Guy Called Gerald : Millennium sanhedrin (com Ursula Rucker)
# Johny Cash : We'll meet again (extracto)
# Air : Alone in Kyoto
# The Column One / Excellent listener : Winter
# Leslie Feist : Now at last
# OMD : Statues
# Nouvelle Vague : Love will tear us apart

0 Comentários
14.2.05
 
Vozes distantes ...
As vozes na rádio. As vozes "lá dentro". As vozes do outro lado da casa, ao fundo do vale, difusas, dispersas, junto ao mar. As vozes e os sons. A música. E, porém, as imagens. Desde o primeiro instante.



Durante algum tempo, utilizei na IF o disco (ainda em vinil) com a banda sonora do filme inglês "Distant voices, still lives" (1988), de Terence Davies. Alguém sabe se existe em CD ?

0 Comentários
12.2.05
 
« Les esprits sont comme les parachutes. Ils ne fonctionnent que quand ils sont ouverts »
Louis Pauwels



0 Comentários
11.2.05
 
[ INTERVALO ]

Aqui está outro projecto a que tenho dedicado grande parte do meu tempo e entusiasmo.
Vejam.




0 Comentários
 
A Guy Called Gerald
To All Things What They Need



O regresso de Gerald Simpson. Desde 2000, é uma passagem regular na IF, mesmo com os discos arrumados na secção Dance/Electronica. Não tenho ainda opinião formada sobre o novo disco (com a participação de Finley Quaye e Ursula Rucker), mas a sua abertura será incluída na IF de 14 de Fevereiro.


0 Comentários
8.2.05
 
[ INTERVALO ]



A partir de hoje, olharei só de passagem a campanha eleitoral. O que vi até agora, deixa-me à beira daquela perigosa ideia de que "são todos iguais". Não pode ser verdade. Não quero que seja. Só pode ser verdade se todos nós, eleitores, formos também todos iguais na mediocridade.




0 Comentários
 
Tenho recebido queixas por não ter revelado o alinhamento do programa de 10 de Janeiro, quase todo instrumental. As mensagens são entusiásticas ( e entusiasmantes - ainda há quem ouça com a disponibilidade sugerida na frase-chave : pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir.) A verdade é que perdi o alinhamento e a única forma de o reaver é ouvir, de novo, o programa e reconhecer os temas.
Sei também que o primeiro programa da época RUC não está na rede. É um problema (meu) técnico. Vou tentar resolvê-lo.
Espero que não fique muito pretensioso agradecer a todos os persistentes ouvintes. Obrigado.
Já agora (se o JPP o faz do alto do seu milhão de visitas ao Abrupto) informo que a IF tem ouvintes via net (que deixaram rasto ...), para além, claro, de Portugal, também em Espanha, Itália, Bélgica, Reino Unido, Suécia, Brasil, Venezuela, Estados Unidos ... e se alguém se sentir excluído, que diga.

0 Comentários
 
Podem ouvir-se nas rádios universitárias (RUC e RUM), mas também na net, dois magníficos programas de rádio. De um deles - Vidro Azul (realizado por Ricardo Mariano) - já aqui falei (talvez não o suficiente) para garantir que é um dos melhores momentos da rádio portuguesa actual. Do outro, recente, preciso também de dizer o melhor. Percepções (realizado por Nídio Amado), é um todo que passa pela criação gráfica de uma imagem para cada emissão - todas com um título que nos prepara para a escuta. Os dois programas podem ser ouvidos também através da net, podendo mesmo ser descarregados na íntegra (Percepções, sempre. Vidro Azul, começa agora). As rádios convencionais pensam que conseguem anestesiar as audiências para sempre. Já se enganaram !










0 Comentários
 


This is winter ... winter ... winter ...

Oferta aúdio para dias (e noites) de Inverno.


0 Comentários
7.2.05
 
IF 6/7 Fevereiro

# Micatone : Belgien
# the Czars : My love
# Rogue Wave : Be kind + rewind
# Samara Lubelski : Now's morning's calling
# the Residents : And i was alone
# Money Mark : Peter Sellers sings George Gershwin
# Alpha : Keep fit
# Organ Language : Calm before calm
# the Czars : Bright black eyes
# Barry Goldberg Reunion : I think i'm gonna cry
# Claudine Longet : Love is blue
# Leslie Feist : Tout doucement
# Set fire to flames : This thing between us is a rickety
# Alpha : Your eyes have loved
# Tba : Mom error
# Beck : Everybody's got to learn sometime
# Orquestra Mantovani : Swedish rhapsody

0 Comentários
5.2.05
 
Na próxima IF Peter Sellers sings George Gershwin. Sim. Literalmente.



" Em que momento é que se torna perigoso avançar mais ? ... A pergunta surge no momento em que achamos que já fomos longe demais." Sam Shepard


0 Comentários
2.2.05
 
Goodbye é o mais recente CD dos britânicos Czars. Um grupo liderado por um músico formado em linguística na Alemanha e na Ucrânia. A IF já fez uso dos Czars através da sua versão para Song to the siren (que os This Mortal Coil tinham aproveitado do original de Tim Buckley) e também de Autumn, na edição de 31 de Janeiro. Goodbye é um disco na tradição da IF profunda. Para ouvir, brevemente.



Czars era também o nome de uma banda pop portuguesa dos anos 60 (de Aveiro ?). Alguém confirma ? Quem sabe alguma coisa da sua (suponho) breve história ?

0 Comentários
 
A Íntima Fracção que passou na RUC na noite de 30 para 31 de Janeiro, já pode ser retirada da Net. Não faz insinuações nem promessas. Não ganha audiências, mas estou contente por isso.

0 Comentários
início