Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

30.12.07
 
O blog da ÍNTIMA FRACÇÃO completa hoje 5 anos.

Escrevi no primeiro post : "Com a facilidade dos contactos via internet, não vejo razão para não me expôr. Quem AMA a IF, é porque tem algo em comum.
Aqui estarei para contar tudo o que quiserem e tudo o que eu quiser. Fraccionadamente e na intimidade do Ciberespaço."

Talvez não tenha sido bem assim. A partir desse momento a, até então, tranquila história da Íntima Fracção, entrou numa fase de instabilidade. Fim das emissões na TSF (depois de quase 15 anos consecutivos de transmissões); um ano meio perdido pela net (embora com um inesperado e vasto apoio de ouvintes que, afinal, eram mais do que mil (!); um quase regresso à RDP que ficou sempre suspenso "in extremis"; refúgio hertziano na Rádio Universidade de Coimbra; passagem de meio ano pelo Rádio Clube Português (pelo menos passei por mais uma estação histórica da rádio em Portugal ... só me falta o grupo Renascença !); e, neste momento, a IF a caminho da novidade de ser distribuída online pelo Expresso (depois de ter, hertzianamente falando, emigrado para a rádio espanhola EMA rtv).

Não contei tudo o que quiseram, nem tudo o que eu quis.
Mas uma coisa é certa : o blog devolveu-me um apoio por parte de antigos e recentes ouvintes que, de outra forma, talvez nunca tivesse acontecido.

A relacção entre o privado e o público, que quase desfiz logo ao segundo post, é, no caso do blog da IF, o mais difícil de gerir. Tentar escrever sobre o programa sem escrever sobre quem o faz, é uma contradição difícil de resolver. Por isso os sinais (sempre à espera de um sinal), o falar não sobre mim, mas, através do meu discurso sobre o mundo que vejo e ouço, falar também de mim.

A todos os que não deixaram "cair" a Íntima Fracção, quero, para lá de agradecer, deixar-vos a "intimidade de uma esperança" !


0 Comentários
início