Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

1.9.16
 



Nova edição da IF

RASTOS E POEIRAS DE UM VERÂO PERDIDO









IF_2016_08_31 OUVIR / GUARDAR

# Brian Wilson : Good Vibrations (record sessions part 2) (ext.)
# Sonmi 451 : Cumulonumbus (ext.)
# Silver Lake Chorus : Easy to die (Hammock remix)
# Silver Lake Chorus : Easy to die (Hammock remix - instrumental)(ext.)
# Peals : Belle Air (ext.)
# Peals : Blue Elvis
# Urenga : Shelf cloud
# sons : manhã cedo
# Goldmund : Sometimes
# Purl : Montauk
# sons : piscina privada
# Dakota Suite : Thing we lost along the way (Loscil remix)
# Bill Lasswell (Bob Marley) : The heathen (ext.)
# Labradford : Soft Return
# Loscil : Iona (ext.)
# Cyber Zen Sound Engine : Mottomo Kodokuna Basho
# Purl : Melora (ext.)
# Flatsound : If we could just pretend
# Silver Lake Chorus : Easy to die (Hammock remix - instrumental)

# VOZ : Francisco Amaral

Esta edição da IF resulta de um Verão em quase clausura e solidão. A meio cruzei-me com uma canção de Aimee Mann numa versão do Silver Lake Chorus. Descobri ainda um muito recente disco dos SLC todo preenchido com remixes das versões feitas pelo coro e onde aparece a versão dessa canção de Aimee, "Easy to die", remisturada pelos Hammock, incluindo também um instrumental do mesmo tema. A canção é etérea e pungente porque inspirada na perda de um amigo de Aimee Mann, vítima de uma overdose. O ambiente é mais do que adequado à IF, fazendo muito lembrar as noites (muitas) em que a produzi para a rádio, como se eu visse as ondas sonoras espraindo-se pelo espaço até longe, muito longe. O que se passa no cérebro quando essas ondas sonoras se tornam música e a música se torna emoção ? Este tema, com que abro e encerro esta IF, desencadeou também em mim a lembrança da perda, precisamente há 25 anos, do meu irmão Nuno, na altura com apenas 23 anos. O resto são apenas rastos, poeiras, que sobram da minha silenciosa perplexidade, desse e de outros factos que passaram como ecos ou resíduos pelos meus marterizados ouvidos durante os dias e noites abafadas facilmente esquecidas. Por isso os extractos de músicas, as sobreposições, as remisturas sobre misturas e dois ou três curtos textos, um deles em inglês (creio que pela primeira vez na IF).

13 Comentários
início