Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

8.8.07
 
No sábado passado, dia 4, morreu Lee Hazlewood.
Recebi a notícia, via e-mail, vinda de Porto Santo.
Estranha e enviesada história ? Não. Simples acaso.

Estranha é a música de Lee Hazlewood. Explico melhor. Quando interpretada por outros (para quem ele fez a maior parte das canções) é uma coisa. Por ele, é outra completamente diferente. Está na voz a grande diferença.
Lee Hazlewwod era fundamentalmente um compositor e produtor discográfico, mas quando resolveu entrar nas suas próprias criações, houve algo que mudou. E muito.

Não fora a reverência confessada nos anos 90 pelos Sonic Youth, Tidersticks e Nick Cave, por exemplo, e talvez o final da sua vida tivesse passado despercebido. Seria injusto. Muito injusto.

Lee escreveu êxitos comerciais esmagadores, como "These boots are made for walkin'" (1966), cantado por Nancy Sinatra. E devo dizer, muito claramente, que uma cançãozinha como aquela, no contexto dos anos 60, NÃO era nada pirosa/pimba. Leve, sim. Pimba, não.

Quando resolveu cantar em duo com Nancy, tudo se tornou diferente, mais de dentro, profundo e muitas vezes inquietante. Comparados com alguns duos mais ou menos angelicais da época, Lee e Nancy eram bem mais terrenos !

"Some velvet morning" é o melhor exemplo. Tendo conhecido várias versões (foi escrita para os Vanilla Fudge), a original, com a voz cava de Lee, sempre teve e terá um lugar especial no coração da IF. No último disco - Cake or dead (2006) - reeinventou-a por causa da neta, a quem deram o nome de Fedra, embora ela julgue, docemente, que a Fedra que o avô canta na canção "já" era ela.

A verdade é que Lee Hazlewood era um iconoclasta, desencantado, sarcástico, que teve uma longa carreira durante os anos 50 como dj em várias rádios locais, passando depois a produtor discográfico. Também teve a sua própria editora, mas depois do êxito planetário de "These boots are made for walkin'", porque não era, nem queria ser, mainstream, começou a ter problemas no meio discográfico e em 1968 toda a gente influente já lhe tinha virado as costas.

Começou então a sua aproximação à Europa, em particular aos países nórdicos.
Em 1970 foi viver para a Suécia, para evitar que o filho fosse mobilizado para a guerra do Vietnam. Gostei. Aliás, Lee sabia o que era a guerra. Em 1950 tinha estado na Coreia.

Dizem que influenciou o célebre produtor Phill Spector. Acredito.
Escreveu êxitos para Duane Eddy, Dean Martin e o próprio Frank Sinatra.

"A marriage made in heaven" (1993), dos Tindersticks, é inspirado no seu "Sand" e foi mesmo uma homenagem a Lee, já que na capa do single aparece a sua fotografia.

Em 1999 regressou às actuações ao vivo (já não o fazia desde 1974), em Londres e na Escandinávia. Mais uma vez suportado pela banda do seu amigo de sempre Al Casey.

A sua versão de um tema que de facto não era dele - You've lost that loving feeling - é outra das pérolas escondidas da IF. Mostrou-se várias vezes no duo com Nancy Sinatra e revela-se aqui em baixo, na televisão sueca (1968), com Siw Malmkvist.

A propósito : Lee Hazlewood também fez televisão, em especial na Suécia, e chegou a ganhar um dos mais importantes prémios internacionais do meio.

Na Universidade estudou Medicina, mas acabou por desistir.
Cumpriu o destino dos apaixonados : casou com a namorada do liceu.
Confessou que muitas vezes tinha que voltar a escrever as letras das canções, porque inicialmente elas eram inteligentes de mais !

Morreu sábado, com 78 anos, nos arredores de Las Vegas, depois de ter vivido em meio mundo, entre os EUA e a Europa.
"I've been around long enough now. I've lived a pretty interesting life - not too much sadness, a lot of happiness, lots of fun. And I didn't do much of anything I didn't want to do."

Meritoriamente, o jornal Público deu-lhe grande destaque no P2. Escusava era de titular : "O crooner arrumou as botas". Também discordo das rotulagens de "cantor de charme ambíguo" e "cowboy da country-pop". Diz ainda a redactora : "Hazlewood morreu - logo agora que o bigode voltou a estar na moda". Percebo muito bem a intenção com que o diz. Mas não gosto. É assim um bocado ligeirinho - onda geração laracha, programa da manhã ... e tal. Espertice. Sarcasmo para o sarcástico ? A K.G. não percebeu nada ? Receio que não. "Some velvet morning" ... talvez.


0 Comentários
início