Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

26.8.07
 


Apreciava as crónicas no Público escritas por Eduardo Prado Coelho. Sai este domingo a última por morte do autor. Gostava, para além das crónicas, da procura de EPC em reflectir sobre o contemporâneo, em especial no quotidiano português.
Penso que ele tinha um enorme entusiasmo pela semântica. Não há outra forma de entender o mundo.
De uma maneira bem portuguesa, entre as duas mais dramáticas formas de desfazer - a medíocre invejosa e a arrogante, EPC foi uma figura menos polémica e muito mais perseguida. Não pelo Poder, que sempre o namorou e com quem ele não se deu propriamente mal, mas por largas fatias da intectualidade imergente (imersa, que não consegue emergir).
O blog Grande loja do queijo limiano achava que EPC queria ser Eco quando fosse grande. Tem imensa piada ... assim do género de tirada de esquerda anos 70, mas agora ao contrário. Tudo porque EPC, dizem, não apreciava o liberalismo económico nem, aparentemente, acreditava no Criador.
"O inefável EPC", li e ouvi por várias vezes. Qual o motivo ? Por "que não se pode exprimir por palavras" ou por ser "deslumbrante; delicioso; encantador" ? São estes os sinónimos de inefável.


A única coisa que me incomodava em EPC (e ele lá queria saber disto ...), era a sua reverência por Paris. Escrevi aqui, há pouco mais de um ano, um pequeno comentário jocoso sobre o assunto. Não o retiro, claro.


Lamento a morte de Eduardo Prado Coelho. Há demasiada gente lúcida a partir.

0 Comentários
início