Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

16.6.07
 
Estórias incríveis da música pop que só me passam pela memória nas sextas-feiras à noite.

Carole King, a quem é dedicada a célebre "Oh Carol" (1959 - tinha Carole 17 anos), por Neil Sedaka, começou a escrever músicas com grande sucesso nos tops de vendas, por volta de 1960. Casada muito cedo com Gerry Goffin, em 1962 tinha em casa uma empregada negra, Eva Boyd, que impressionava o casal com a sua particular forma de dançar. Escreveram para ela "The Loco-motion", que foi um instantâneo #1 de vendas.

Little Eva, como ficou conhecida, era mesmo pequena. A partir de 1964, deixou de ter qualquer impacto comercial e acabou por retirar-se em 1971. No final dos anos 80, depois de Kylie Minogue ter lançado uma versão de "The Loco-motion", Eva (que sempre detestou a versão) fez um comeback pelos circuitos nostálgicos e continuou a cantar até 2001. Com uma grave doença cervical, morreu em 2003 com 59 anos.

Este vídeo (ao vivo) de Little Eva, é da época do seu regresso, com muitos quilos a mais, mas ainda cantando "The Loco-motion".

Carole King, hoje com 65 anos e com novo disco acabado de sair, parece eterna. Vejam-na, espantosa, já com 52 anos, numa brincadeira ao vivo sobre a sua própria canção escrita trinta anos antes !



Carole King compôs mais para terceiros do que para ela própria. É impressionante a lista de nomes que venderam à custa de Carole. Activista empenhada pelo Partido Democrático norte-americano, voltou não só a gravar como a actuar ao vivo.
Aqui, numa entrevista à TV Neozelandesa, no final de 2006, dizendo mal de Bush, mas garantindo que "I love my country".


0 Comentários
início