Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

8.2.07
 
As músicas sobrepõem-se muito depressa na memória.
Com o aumento da produção e, especialmente, com o enorme leque de canais de divulgação, há uma tendência para que as músicas se arrumem muito depressa. Às vêzes deitam-se foram. Há também imensa música perdida.
As rádios em Portugal alargaram a dimensão do espaço vazio na música actual. Mesmo que sejam de agora, a maior parte das músicas parecem-se com outras, que por sua vez já se pareciam com outras e outras e outras. Antigas e sem nada que as distinga.
A rádio em Portugal está tomada por programadores que pensam "ah ! isto sim !". E isto sim, porquê ? Porque é música do "tempo deles". Ainda ontem eram tão novos e já hoje repetem até à exaustão as suas musiquitas que nada mais fizeram do que vender discos.
Normalmente há um período de 20 anos para incubar esta "doença". O tempo suficiente para se passar da adolescência à idade adulta e se ser responsável por alguma rádio (alguma !). Vai daí estamos agora nos anos 80. No entanto, se esperam voltar a ouvir Cocteau Twins, Felt, Nick Cave ou David Sylvian, por exemplo, desistam. Esperam-vos Culture Club (e vá lá ...), Lionel Richie, Phill Collins e muito provavelmente os Miami Sound Machine e as Bananarama. Uns singles com piada para miúdos de 16 anos à época. Enfim, também se ouviam nos bares e discotecas pelos mais crescidinhos. De maneira que regressa tudo ao estado plastificado estilo Olivia Newton-John.
Já não falo dos nomes eternos (Sinatra, Jobim, Brel, ...) simplesmente BANIDOS da rádio. Há uma enorme galeria de notáveis (solos e grupos) que desapareceu. São notáveis, mas não suficientemente eruditos para terem direito ao exílio na Antena 2. Assim sendo, a rádio em Portugal, no que à música diz respeito (talvez não só), está quase no grau ZERO. Isto é, sem alma, pode ter corpo, mas está morta.

0 Comentários
início