Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016
04/2017

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

2.11.06
 
É essencial que estejam informados.
A decadência da rádio portuguesa ( ... claro que não é só a rádio !), obriga-nos a estar muito atentos. As coisas verdadeiramente interessantes passam-se, despretenciosamente, na net.
A série "Como no cinema", de Francisco Mateus, realizada para a TSF nos anos 2000/2001, começou a ser recuperada através da net AQUI.
Francisco Mateus confirmou nessas emissões, com enorme Arte, que a rádio é feita de sons e estes são fluídos invisíveis que nos fazem chegar aos sentimentos.
A série vai ser recuperada não na totalidade, mas pelo menos 39 edições vão ficar disponíveis ao ritmo de uma por semana. São fundamentais ! Devem ser guardadas para utilização por todos os que ensinam e aprendem Rádio (ou o que em vez dela se desenha).
Como no cinema.
A primeira incursão dá-se em Ferrara: uma cidade de música.


É essencial que estejam informados.

Hugo Pinto, actualmente jornalista em Macau, mas que passou pelo Público e se interessa apaixonadamente pela música, pela imagem, pela escrita, pelos blogs e, claro, também pelos sentimentos, passou a disponibilizar podcasts de uma hora que são igualmente essenciais. O Hugo explica assim aquilo a que chamou Miss Tapes :

A partir de hoje publicarei uma série de gravações a que dei o nome de "Miss Tapes". São "podcasts" de uma hora em que se alinham músicas. Só isso. Como as cassetes que se gravavam para a namorada. Um desejo na forma de uma esperança. Tal como este blogue, a única pretensão das "Miss Tapes" é comunicar. A música é a linguagem do indizível. Há palavras chave. Há sensações que se repetem. Mas, apesar da familiaridade e do desconhecido, resta um amontoado de intenções cristalizadas. Haverá sempre uma palavra a menos no seu lugar. É esta a derradeira maldição. E é este o eterno combate, porque de forças adversas falamos. Contra isso, a Fé tem que ser Diversa. in Fé Diversa


0 Comentários
início