Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

31.1.08
 


There she goes my daytime girl.
Spreading her wings like a high flying eagle.
All the people will stare as she falls to the ground.

0 Comentários
28.1.08
 
Nesta viagem que faço, devia parar em hóteis e sentar-me melancolicamente num bar onde ao fundo, sem que eu lhe consiga distinguir bem a cara, um teclista toca qualquer coisa que me diz "já não é aqui que devias estar". E as memórias distraem-me e atrasam-me.
A memória e as expectativas. Desde que compreendi que a vida está entre as duas, tudo se tornou muito mais difícil.


0 Comentários
23.1.08
 

... a caminho.


0 Comentários
19.1.08
 


DAYS

Original dos Kinks há 40 anos, esta é uma das grandes canções pop do século XX. Aqui por Ray Davies ao vivo, já neste século, numa autêntica celebração religiosa.
Uma canção agradecimento sobre a ausência : "they're still with us, they just don't want to be here!".

0 Comentários
 


HEADLIGHTS

E, mesmo assim (quero dizer, mesmo com todos os males do mundo, ou talvez por eles), ainda existe gente que persiste em fazer música ensolarada (tão fácil como um dia de sol ...) que nos faz acreditar que Peter Pan está vivo !

HEADLIGHTS

São de um local de nome improvável - Champaign, Illinois.
A musiquinha chama-se Cherry Tulips.

0 Comentários
 
Encontrar as frases certas num mundo de informação que transborda, é um desperdício.

E, no entanto, sinto que continua a ser possível dizer não o que nunca foi dito, mas como nunca foi dito. Tentar dizer o indizível é que não. Para isso devo convocar as imagens e muito mais ainda os sons.

E então há um sobressalto, quando o silêncio me dá a exacta dimensão do vazio e eu persisto em acreditar que há velhos sons gravados nas superfícies mais improváveis.

E ao longe, nem o mar nem o avião que cruzava o céu nocturno. Apenas um cão. Um longínquo e quase sumido cão.

E é sábado e isso não tem significado nenhum.

0 Comentários
18.1.08
 


Descobri a música no blog Milimagens.
Não fazia era a mínima ideia que iria encontrar um vídeo tão simples e criativo.
Tem mais de um milhão de visionamentos no YouTube (um consenso, já se vê) e é algo de muito bom para um princípio de fim-de-semana. Easy listening ... and viewing !

Kate Melua - Nine Million Bicycles

0 Comentários
17.1.08
 
O que foi isto ?

0 Comentários
16.1.08
 


Foi aqui que Jens Lekman foi buscar "A little lost".
ARTHUR RUSSELL.
Para ouvir lá em cima.

0 Comentários
 


Começa amanhã. Muita coisa para ver e ouvir. Também através da internet.


0 Comentários
 


Com a futura mudança de casa do blog da IF, talvez me apeteça alterar os conteúdos, que a forma é certa. Por enquanto partilho a ideia de voltar a comprar o JL e de estar muito curioso com a chegada para breve do Courrier Internacional transformado em revista. Parece ser um objecto apetecível.

0 Comentários
11.1.08
 


Recomendável. Uma aventura com mp3 nos ouvidos.

O Áudio-Walk "Chambres, Rooms, Zimmers" estreou a 7 de Janeiro. Um percurso teatral pela cidade de Coimbra. Pode ir buscar o seu MP3 à Galeria Santa Clara. De 7 de Janeiro a 9 de Fevereiro. De Segunda a Sábado das 14h às 18h. Direcção Artística: Ricardo Correia. Produção: Rio Contigo e Casa da Esquina. Reservas:963421452

Ideias, livros, imagens que contaminam este projecto:
1- Rua de sentido único de Walter Benjamin
2- As cidades Invisíveis de Italo Calvino
3- As asas do desejo de Win Wenders
4- A taxa média de alcoolemia dos estudantes de Coimbra
5- Os sem-abrigo
6- Lisbon story de Wim Wenders
7- Playtime de Jacques Tati
8- A luta de 69
9- O direito à habitação e à cidade
10- Relatos de más experiências na procura de quarto em Coimbra
11- A Biblioteca de Babel de Jorge Luís Borges
12- Anúncios de aluguer de quarto nos jornais
13- Grafittis na cidade

... e ... e ...

0 Comentários
10.1.08
 


Inesperadamente, encontro, fora do contexto, a introdução de uma das favoritas da IF.
Quem descobre ? O primeiro recebe um pin da nova série IF ...

0 Comentários
9.1.08
 
"Quando termina o passado ? Nunca. E nunca se sabe quando nos pesa ou nos eleva."
Eu disse isto. E já não me lembrava.
Lamentável.
Lamentável, porque é precisamente isto que quero dizer.

0 Comentários
7.1.08
 
No blog Coriscos, em votos para o ano de 2008, dizem que gostavam de me ver regressar à TSF, ou a outra estação qualquer com a Íntima Fracção. Eu fico desvanecido (é o termo ?) com o facto de continuarem a lembrar-se da IF ( ... e de mim). A IF até passou em 2007 seis meses pelo regressado Rádio Clube, mas parece que também ali não há lugar para estas intimidades radiofónicas. Actualmente, não sei onde haverá.

A Íntima Fracção passará a ser distribuída em podcast através da versão online do jornal EXPRESSO.
Dylan já tinha avisado há mais de 40 anos : " The times they are a-changin' " ...

0 Comentários
 
Jens Lekman, em Novembro passado, a reinventar "You can call me Al", de Paul Simon. Música, segundo ele, do tempo da sua inocência.
Lekman, dizem, vem ao Porto à Casa da Música.


0 Comentários
 
Quando a dor no peito me oprime, corre o ombro, o braço esquerdo, surge nas costas, tumifica a carótida e dá-lhe um calor que não gosto; quando a respiração se acelera em busca duma lufada que a renasça, o medo da morte afinal se escancara (medo-mor, tamanha injustiça, torpeza infinita), aperto a mão da Irene, a sua mão débil e branca. Quero acordá-la. E digo : «não me deixes morrer, não deixes...» Penso para comigo, repito para me convencer: «esta pequena mão, âncora de carne em vida, estas amarras suas veias artérias palpitantes, este peso dum corpo e este calor, não me deixarão partir ainda...» E aperto-lhe a mão com força, e acabo às vezes por adormecer assim, quase confiante, agarrado à sua vida. Ah, são as mulheres que nos prendem à terra, a velha terra-mãe, eu sei, eu sei ! São elas que nos salvam do silêncio implacável, do esquecimento definitivo, elas que nos transportam ao futuro, à imortalidade na espécie (nem teremos outra) pelo fruto bendito do seu ventre (eu sei, eu sei...)

Luís Pacheco
("Comunidade", Contraponto, 1964)




Morreu Luís Pacheco.
Não encontro palavras para evitar lamechices que ele detestava.
Esteve internado há muitos anos nos HUC onde o Aníbal Sales, meu companheiro de realização das primeiras aventuras cinematográficas, o conheceu. Conheci um outro Luís Pacheco através do Sales que, também ali internado, me deu uma outra imagem do escritor. Foi há mais de 30 anos e a diferença de idades entre o Sales e o Pacheco era maior do que o tempo que entretanto passou. De qualquer forma o Sales até já partiu há 4 anos sem me dizer nada. Devo-lhe, também, um outro saber sobre o Luís Pacheco.

0 Comentários
 
Uma das mais belas canções do século XX - Song to the siren.
Foi recuperada em 1984 pelo projecto "This Mortal Coil", mas originalmente é de Tim Buckley, que a incluiu no disco Starsailor (1970). O disco não teve quase vendas e poucos lhe deram atenção. A 25 de Março de 1968, Tim Buckley tinha (inesperadamente) encerrado o programa televisivo dos Monkees, cantando a solo "Song to the siren".
Uma canção de desencanto que, para mim, me lembra a brisa sobre as dunas, de frente para o mar, de onde nunca saiu a sereia perdida.


0 Comentários
6.1.08
 


Primeiro entusiasmo em 2008.
A dupla Beach House (de Baltimore, Maryland, USA), publica no final de Fevereiro o segundo disco : Devotion. Teclados etéreos, vozes distantes, um q.b. de melancolia e sonho. Mas ... algo novo construído sobre boas memórias (Mazzy Star, Galaxie 500, Slowdive, o orgão dos Suicide, Martin Rev, ventos vagamente soprados dos finais dos 50's, ...). Já passa na IF. Ah ! ... E passará !

0 Comentários
 
Das várias mensagens de ouvintes da IF, escolho agora esta para abrir o ano de 2008.
Surpreendente. Emocionou-me.
Veio de José, da cidade Punta Arenas, na Patagónia chilena, bem no sul do continente americano, junto ao estreito de Magalhães.

Francisco, muchas gracias por tu música, es de lo mejor que estoy escuchando. Por estos lados, caminar en la Patagonia del sur chileno, donde la lluvia, el viento y el sol se mezclan, escuchar tu música es una gran completo. [...]

[...] una pocas fotos, del sendero por el cual siempre camino, no importa la estación del año. Tu musica se relaciona con esta zona muy austral, los vientos son fuertes, la lluvia a veces golpea y duele la cara, en fin la paz la encuentras por estas tierras. [...] .Nuevamente un saludo y muchas gracias por compartir tu música.







E fico a imaginar a IF, transportada pelo José, que percorre aquele sendero no outro lado da Terra.

0 Comentários
4.1.08
 
Isto é óbvio, mas difícil.
Escreveu Robert Bresson :

"O real em bruto não resulta por si mesmo no verdadeiro."

0 Comentários
1.1.08
 


Dia de Ano Novo. 2008
Ontem à noite, nem passas, nem chapelinhos ridículos, nem pés no ar. Barulho, só ao longe e feito por outros.
Reconhecem os U2 aqui em cima ?
E aqui por baixo ?
Noite de passagem do ano de 1946 para 1947.
Felizes porque a Guerra tinha acabado.
Felizes naquele momento. Quem pode contar o que viveram depois ?


0 Comentários
início