Pouco para dizer, muito para escutar, tudo para sentir. A propósito do programa de rádio
ÍNTIMA FRACÇÃO OUVIR ON-LINE ou PODCAST

 


>
Íntima Fracção
> um programa de Francisco Amaral
>
> Contacto:
franciscoamaral@gmail.com


> RSS Feeds

>
Arquivos
12/2002
01/2003
02/2003
03/2003
04/2003
05/2003
06/2003
07/2003
08/2003
09/2003
10/2003
11/2003
12/2003
01/2004
02/2004
03/2004
04/2004
05/2004
06/2004
07/2004
08/2004
09/2004
10/2004
11/2004
12/2004
01/2005
02/2005
03/2005
04/2005
05/2005
06/2005
07/2005
08/2005
09/2005
10/2005
11/2005
12/2005
01/2006
02/2006
03/2006
04/2006
05/2006
06/2006
07/2006
08/2006
09/2006
10/2006
11/2006
12/2006
01/2007
02/2007
03/2007
04/2007
05/2007
06/2007
07/2007
08/2007
09/2007
10/2007
11/2007
12/2007
01/2008
02/2008
03/2008
04/2008
06/2012
05/2015
04/2016
09/2016
12/2016

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

 



 

 

 

31.8.05
 
Por solicitação do Mário Dias, tive um breve regresso à antena da TSF. Como foi bom ouvir as vozes da Xana e do Mésicles ao fundo da linha. Quanta saudade. Quanta mágoa !
Por mera curiosidade, está aqui o som.

0 Comentários
30.8.05
 


A noite passada, no programa Prós e Contras - RTP.1, José Luís Garcia a propósito da cobertura televisiva dos incêndios : "O que a televisão faz é servir-se do público, muito mais do que o servir." Salvo as habituais honrosas excepções, esta afirmação estende-se a toda a Comunicação Social. O "edge" da Comunicação mercantilizada, alterou por completo as regras (foram desaparecendo) e pulverizou os valores. Eles existem, mas estão exactamente assim : uma poeira que anda no ar, mas que se dissipa com um gesto largo e brusco, ou um sopro que diz " não queres receber no fim do mês ? ".


José Luís Garcia

0 Comentários
29.8.05
 
Mike Love, um dos Beach Boys iniciais, registou o nome Beach Boys Band para fazer digressões. Dos verdadeiros Beach Boys, para além de Mike, Bruce Johnston também faz parte da banda. Com os dois, andam mais seis músicos. A digressão deste ano, integralmente feita nos EUA, é interrompida para dois espectáculos em Portugal - no Crato e em Lisboa, a 30 e 31 deste Agosto.
Lá andam eles, aproveitando a herança de Brian Wilson, assumindo para si aquilo que (óbvio) já é de todos.

0 Comentários
27.8.05
 
I pass a million houses
But there is no place that I belong
All I knew to give you
Was song after song after song
All the truths I tried to tell you
Were as distant to you as the moon
Born 200 years too late
And 200 years too soon

(Cash, Daniels)

Originalmente de J.Cash, "The Singer", por Nick Cave, foi sempre um grito em tom grave da IF. Actual. Continua.
Para que servem afinal estes discos, senão para dizer o que se tornaria insuportável dito por nós ?
But there is no place that i belong
... e no entanto, houve um tempo em que julguei pertencer a uma casa. Sonhos domésticos. Um lar. Uma rádio ...


0 Comentários
 
Desde o princípio, ávidas de um papel, as cenas preparam-se para a recordação: muitas vezes, sinto-as, prevejo-as no próprio momento em que se formam.
Barthes recuperando Proust.

O que receio, é o momento em que nada se prepara para a recordação. Recorda-se por que passou e não por que sentimos que se iria recordar.

0 Comentários
26.8.05
 
Não quero um rasca, man
Oh oh oh
Não quero um rasca, man!
Oh oh oh

Se me falha equipamento
fico logo a bater mal
fico pior que instrumento
sem talento natural

Não quero um rasca, man
Oh oh oh
Não quero um rasca, man!
Oh oh oh





Os criativos da TBWA só devem ter pensado no massificado ppl cool, boa vibe, curte o Verão, que julga que os telemóveis (e os Festivais ...) são o hip. Eu adoptei a música (e o refrão) como hino contra a rasquice reinante. Obrigado.

... right ...
... man, 'inda podes ver o vídeo se clicares nas fotos ...

Neste Verão todos querem o rasca.

0 Comentários
25.8.05
 
Henrique Cepeda ( o futuro da Comunicação em Portugal estaria em boas mãos se estivesse nas de gente como ele ...) deixou um comentário no post em que se escreve sobre os Humanos. A informação é útil. O vídeo-clip de Maria Albertina, produzido pela Zed-Filmes (Respirar ... debaixo de água; Esquece tudo o que te disse; ...) pode ser visto integralmente na net.
Obrigado Henrique.


0 Comentários
 
Airport song (Magna Carta).
1970

" Eu devia partir, de manhã, num avião ao encontro do sol. Com uma mala e uma guitarra ... e uma cara, numa fotografia."

Primeiro, o aeroporto para ver partir os aviões. E gente estranha. Depois, para ver partir os amigos, as paixões, os amores.
Ainda, o aeroporto do lado das chegadas/arrivals.
O aeroporto é quase sempre um local de ilusão e desespero. Por vezes, de deslumbramento.


aeroporto de Bombaim (Mumbai)


aeroporto de Frankfurt a 37 mil pés de altura


Lisboa - chegadas/arrivals


0 Comentários
23.8.05
 
Fogo em Coimbra.


imagem retirada do Ponteeuropa, obrigado

Músicas : Fire (Crazy World of Arthur Brown) e o desfeito (vagamente esperançoso) Fire and Rain (James Taylor). Long long ago ...

0 Comentários
21.8.05
 
A Larangina "C" tem música. Sempre teve. Pelo menos desde que um anúncio de televisão feito em desenho animado (a preto e branco), encaixou Apache, dos Shadows, na acção de encher uma daquelas garrafas que imitava uma laranja, com textura e até uma folha verde pendurada no gargálo.
Depois desapareceu e regressou como Orangina.



imagem recolhida no TRUCA, site do locutor de publicidade/voice over, Luis Gaspar.

0 Comentários
20.8.05
 


A esta hora ela parte de Sabarmati Station, em Ahmedabad. Oito horas depois chegará a Central Station, em Mumbai (Bombaim). Olhando a baía, de frente para India Gateway, começará a nostalgia do fim de viagem. Aqui, ao longe, levantou-se um vento furioso. Como quero contar sempre com (pela) música, as imagens escondem Ravi Shankar e a voz de Lakshmi Shankar - I am missing you.


0 Comentários
19.8.05
 


O rapaz no baixo é Marcelo, agora já muito crescido, acompanhando a mãe, Astrud Gilberto, num Festival na Europa. O mesmo que canta em You didn't have to be so nice, com 6 anos, no post anterior. Infelizmente, Astrud não tem actuado ao vivo nos últimos tempos.




Em cima, Astrud com António Carlos Jobim.
Em baixo, Astrud com Chet Baker.
Tempos de um bom gosto e classe irrecuperáveis.

O último disco de Astrud Gilberto só foi vendido através da internet. Jungle, inclui uma versão de The look of love, de Burt Bacharach.

0 Comentários
18.8.05
 
Sabiam que há muito tempo (ainda ?), algumas estradas florestais portuguesas fechavam ao pôr-do-sol ? As estradas da Mata do Urso, onde se esconde a Lagoa da Ervideira, eram assim. Quando se lá ficava dentro, o sr. Rolo vinha abrir a cancela. O Rolo filho queria ir para a Marinha. Estavamos a metros do mar. Num outro 18 de Agosto, literalmente, eu deslizava sobre estas águas. Podíamos não ser completamente felizes, mas estavamos cá quase todos.







As fotos (belíssimas) são do Miguel Costa. Escondem a música que na minha memória se junta a estas imagens - a versão de Astrud Gilberto de You didn't have to be so nice (cantada com o seu filho Marcelo, na altura com cinco ou seis anos - informação que me foi dada em tempos pela secretária da própria Astrud).
Os Verões de quando tudo era ainda possível.





0 Comentários
17.8.05
 
Miss teardrop.
Outra do Felix Laband que deviam ouvir.
Música escondida, não é ? Os playmakers das rádios estão convencidos (querem-nos convencer ...) de que há uma fórmula científica que consegue justificar as antenas fechadas.

0 Comentários
 
Ontem. 22,30 h
Um grupo à volta de uma rapariga ao telemóvel : "Temos uma surpresa para vocês. Estamos em Coimbra ! Depois de tanta volta, chegámos à civilização."
De onde viriam eles ?

0 Comentários
 


De Richard Rodgers / Lorenz Hart

Blue moon,
you saw me standing alone
without a dream in my heart
without a love on my own.

Blue moon,
you knew just what I was there for
you heard me saying a prayer for
somebody I realy could care for.

( . . . )



As imagens abrem para dois extractos de Blue Moon - Elvis e Billie Holiday.

0 Comentários
16.8.05
 


Vem o Nick Cave ao Festival de Paredes de Coura e eu não vou, porque me dou mal com outros que também vão - "índios" e cervejolas.
Como é que o Cave poderá cantar Into my arms, Far from me ou a dilecta da IF - Slowly goes the night - naquele ambiente ? Provavelmente não cantará nenhuma destas. Faz bem.

Lover, lover, goodbye
So slowly goes the night ...


_____________________________

I don't believe in an interventionist God
But I know, darling, that you do
But if I did I would kneel down and ask Him
Not to intervene when it came to you
Not to touch a hair on your head
To leave you as you are
And if He felt He had to direct you
Then direct you into my arms

Into my arms, O Lord
Into my arms, O Lord
Into my arms, O Lord
Into my arms ...
______________________________


For you dear, I was born
For you I was raised up
For you I've lived and for you I will die
For you I am dying now
You were my mad little lover
In a world where everybody fucks everybody else over
You who are so far from me
Far from me
So far from me
Way across some cold neurotic sea
Far from me ...



Atrás da imagem está um magnífico vídeo.
Para quê efeitos especiais se o coração está na nossa cara ?

Já agora, um extracto da carta que Nick Cave enviou à MTV a propósito da sua recusa em ser nomeado para prémios daquela estação.
" MY RELATIONSHIP WITH MY MUSE IS A DELICATE ONE AT THE BEST OF TIMES AND I FEEL THAT IT IS MY DUTY TO PROTECT HER FROM INFLUENCES THAT MAY OFFEND HER FRAGILE NATURE.
SHE COMES TO ME WITH THE GIFT OF SONG AND IN RETURN I TREAT HER WITH THE RESPECT I FEEL SHE DESERVES - IN THIS CASE THIS MEANS NOT SUBJECTING HER TO THE INDIGNITIES OF JUDGEMENT AND COMPETITION. MY MUSE IS NOT A HORSE AND I AM IN NO HORSE RACE AND IF INDEED SHE WAS, STILL I WOULD NOT HARNESS HER TO THIS TUMBREL - THIS BLOODY CART OF SEVERED HEADS AND GLITTERING PRIZES. MY MUSE MAY SPOOK! MAY BOLT! MAY ABANDON ME COMPLETELY!SO ONCE AGAIN, TO THE PEOPLE AT MTV, I APPRECIATE THE ZEAL AND ENERGY THAT WAS PUT BEHIND MY LAST RECORD, I TRULY DO AND SAY THANK YOU AND AGAIN I SAY THANK YOU BUT NO...NO THANK YOU."



Ainda em Paredes de Coura vai estar o Vincent Gallo. Saberá ao que vem ?

0 Comentários
 
Les vacances de mr. Hulot



Ainda os anos 50. Todos os verões, com Tati ...
A capa contém música original do filme. Em cima, o título esconde uma remistura recente de Mr. Untel. Experimentem.

0 Comentários
 
O passado não é aquilo que passa, é aquilo que fica do que passou.
(Alceu de Amoroso Lima)


Figueira da Foz, anos 50

Música atrás da foto.
Em memória da Henriqueta, a primeira mulher que vi dançar rock'n'roll.
Há um ano que pararam os telefonemas, mas não as memórias.


0 Comentários
15.8.05
 
Este silêncio de Verão.

Os silêncios são das maiores forças do crescimento psíquico. Representam tempos de pacificação, de resolução de conflitos, de reencontro, mas também são espaços de abertura, portas abertas à comunicação e ao preenchimento do que existe à nossa volta. Surpreendem. Marcam. Fazem adormecer, tanto quanto fazem sonhar.

Pedro Strecht, in Público, 12.8.05

Não sei se é verdade, mas soa-me bem.

0 Comentários
 



Quando, vagamente, a temperatura baixa, saio de casa.
Como é bom o Verão na cidade ...

0 Comentários
13.8.05
 
Em cheio. No meio de Agosto, a paisagem habitual é-me ainda mais indiferente. Tenho três dias para encontrar a cidade deserta. Não abandonada. Livre, finalmente !

0 Comentários
 
Há ou não música Pop portuguesa sem ser pimba ? Não me refiro ao rock-fininho-português. Falo mesmo de Pop. Os Humanos fizeram-me sentir que há. e eu não fui ao Sudoeste ... ! Claro que muito devem a António Variações, mas Camané (Maria Albertina vai ficar como um clássico da pop portuguesa), Manuela Azevedo (Muda de vida, outro ... ) e David Fonseca, com os músicos e a produção do disco, construiram uma obra única e por isso irrepetível. Infelizmente eles deram por isso e ficaram-se por 4 concertos. Para mim, os 80 mil discos vendidos até agora não chegam. Uma digressão nacional era o mínimo, para ajudar a explicar que a ideia da Pop portuguesa ser cantada por Anjos, Carreiras e Romanas, é uma clara opção ideológica baseada na eternização do mau gosto anestesiante.
Ainda por cima, a Maria Albertina existe e a sua filha Vanessa também ! Ainda bem que foi nessa D. Albertina ...


0 Comentários
 
7664 Km
Numa noite de Verão.


0 Comentários
 


CAIXA NEGRA
é o título do livro de Frederico Mira George - edição Amores Perfeitos /Quasi / Magnólia.
Quem conhece o blog Saudades de Antero, saberá do que se trata.
CAIXA NEGRA está organizado em cinco capítulos a que Frederico chamou livros.
CAIXA NEGRA é uma colecção de textos que seguem as citações-farol do blog:
"the essential is no longer visible" - heiner muller / "um dia, sonhei que acordava" - m.cesariny
CAIXA NEGRA poderia ser uma colectânea para utilizar na IF. Frederico, suponho, vive a nostalgia da rádio.
O texto #23, página 37, é-me dedicado.

para o francisco amaral

que faço com as horas de dor ?
eu, rádio
tremor de um éter perdido, de orgãos devorados
que faço quando o amor é cada vez mais fraco
e as noites mais curtas e sem olhos
não há silêncios e morrem as paixões azuis
demasiados os invasores
são
demasiadas
as
ruidosas trovoadas-sem-fios
nem sequer relâmpagos
já só trovões missionários no negro da lua

onde estás floresta ?
onde
azul
- minha telefonia

Aproprio-me do poema. Alguém (ele, Frederico) escreveu-o para (por ...) mim.
A bela capa é do próprio Frederico Mira George, sobre fotografia de A. Carlos Mira, Lisboa 1932. Um livro para descobrir lentamente. Haverá sempre um texto escrito para (por ...) cada um de nós (leitores).

0 Comentários
12.8.05
 


Um silêncio azul transparente. Vejo o passado.
Os sons, muito mais próximos do que as imagens.
Agosto é sempre um mês longínquo.
Embora aqui, não estou em nenhum lado.

0 Comentários
11.8.05
 
As evidências desmotivam-me.
O que hei-de dizer ... fazer ?

0 Comentários
9.8.05
 


A chuva.
Não me ocorre nada de melhor : It's raining again ... Uma cançãozinha dos Supertramp (la la ... la la la ... again ... ain ... ain ...) que eu passava na Antena 1, lá para 1982 / 83, num programa entre as 11 e as 13 (Rodapé, do Sansão Coelho).
Olhem a capa do single ...
Contém um clip áudio.



Há um outro It's raining again, de Tom Petty. Tomem lá clip ... aqui.
E Moby, no seu recente Hotel, também se lembrou de que chovia outra vez (Raining again).
Tudo coisas da outra vida da IF !

0 Comentários
8.8.05
 
Outra vez. Um pássaro gigante levou-me o coração para o Taj Mahal.
Esta é a solitária história do regresso do aeroporto.



O que ficou para trás ?





Ups ! "Summer sun", dos Koop, distraiu-me.


















HELLO !
HELLO ... at my door ... step

(Susanna and The Magical Orchestra)

0 Comentários
início